Desde o seu segundo ano de funcionamento, a FIAP vem trabalhando em projetos internos de Avaliação Institucional, objetivando o acompanhamento de seus processos e a melhoria contínua da qualidade de seus produtos educacionais.

A Avaliação Institucional da FIAP baseia-se em indicadores próprios de cada área, sendo ela acadêmica ou administrativa. Alguns desses indicadores já estão sendo utilizados desde 2001.

A partir de 2004, a FIAP vem aprimorando as Diretrizes para a Avaliação das Instituições de Educação Superior, apoiada no SINAES, instituído pela Lei nº 10.861/2004.

A Avaliação Institucional é uma ferramenta indispensável para subsidiar o desenvolvimento das instituições de ensino superior no Brasil. A par das iniciativas governamentais de incentivo às avaliações de resultado, possibilidades concretas de revisão do papel social das organizações universitárias vêm sendo implementadas, enfatizando a importância das avaliações de processo e permitindo o exercício da autorreflexão institucional.

A partir das discussões realizadas entre os membros da CPA, consolidou-se a ideia de a avaliação institucional ser um processo dinâmico, crítico, contínuo e de reflexão interna sobre as ações da instituição em seu âmbito acadêmico e administrativo, cujo objetivo é o autoconhecimento; e das ferramentas utilizadas servirem como base para as tomadas de decisões, de modo a melhorar e diversificar suas atividades fins e aprofundar seu relacionamento com a sociedade.

Esse processo deve conter duas vertentes, uma qualitativa e outra quantitativa, respeitando-se as diferenças existentes entre as diversas áreas do saber.

A maior importância na reflexão dos resultados apurados pela CPA é a sua conexão com o Plano Pedagógico Institucional (PPI) e o Plano Pedagógico de Curso (PPC), trazendo dados sobre a questão de aceitação ou não dos alunos em relação ao ensino e à aprendizagem. Os coordenadores e os professores realizam reuniões pós-resultados da CPA para avaliar as eventuais maneiras de adequar o PPC aos quesitos apresentados na CPA.

Em dezembro de 2006, foi concluído o ciclo de avaliação institucional referente ao período 2004-2006. Em janeiro de 2007, foi implantado o novo ciclo para os anos 2007-2008. A Avaliação Institucional na FIAP pretende garantir, principalmente, o fiel cumprimento da sua missão e de seus princípios institucionais, qual seja a excelência no ensino, por meio do aperfeiçoamento constante da qualidade dos processos acadêmicos, nas suas múltiplas dimensões de ensino, pesquisa, extensão e gestão.

A opção por um novo modelo de avaliação, que respeite a cultura institucional e possa ser construído sistemática e continuamente com a participação da comunidade acadêmica, determina a abordagem teórico-metodológica que, mesmo pautada em processos analíticos quantitativos, não prescinde de uma visão crítico-reflexiva, desde a concepção até a finalização de cada etapa, por meio da análise contextualizada dos resultados apresentados.

Em vista disso, a FIAP procura construir uma avaliação que privilegie a transparência na condução das ações e enfatize o caráter ético/educativo da proposta; e realizar um trabalho que potencialize o processo avaliativo durante todo o seu curso e que estimule os envolvidos, viabilizando o crescimento pessoal e profissional, em particular, e institucional, em geral.

A conclusão da avaliação interna é precedida pela previsão da avaliação externa ou heteroavaliação. Nessa fase, a instituição contará com a participação de especialistas externos em avaliação institucional, que contribuirão substancialmente para o aprimoramento do processo.

Neste sentido, o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) possibilitou o aprimoramento qualitativo das atividades acadêmicas da instituição, pela experiência obtida com as visitas, para os cursos avaliados, de especialistas externos.

Essa dinâmica, que espalha sobre a instituição a imparcialidade sistemática e solidária do olhar externo, apropria-se do real existente, elucidando e ampliando o foco político-pedagógico-institucional, que permite a autorreflexão necessária, consubstanciada, através dos subsídios oriundos dos relatórios consolidados e emitidos por esses profissionais nas suas respectivas áreas de atuação, enriquecendo, com isso, o projeto pedagógico dos cursos.

A difusão é fundamental no processo de Avaliação Institucional da FIAP. Ao longo de sua implementação, os resultados das avaliações estarão à disposição da comunidade acadêmica e da sociedade, por meio de divulgações periódicas.

Depois de implementado o plano, a FIAP deverá promover o replanejamento do processo e dar início à reavaliação, com vistas à superação das dificuldades apresentadas e a transformação da realidade institucional, de acordo com as metas estabelecidas.