MBA em Gestão Estratégica de Negócios: líderes do futuro

29 de março de 2021
Compartilhe

 Uma gestão estratégica inovadora é determinante para o sucesso dos gestores de negócios

A chegada da pandemia trouxe uma discussão sobre o “novo normal”. O presente e o futuro se transformaram completamente, desafiando pessoas e organizações a se reinventarem diariamente. Com isto, a gestão estratégica de negócios também se viu em necessidade de renovação.

Na intenção de se preparar para o que está por vir, nasce o termo “future proof” (à prova de futuro, em inglês), que é o processo de antecipar o futuro e desenvolver métodos para minimizar os efeitos de choques e tensões dos eventos que virão. Não há como prever quais serão as tecnologias ou ferramentas que irão surgir e impactar o trabalho humano, porém, através de um planejamento digital é possível avaliar como lidar com estas transformações.

Pensar a longo prazo é tão essencial, que esta mentalidade já começou a ser adicionada na grade de cursos superiores. “No MBA de Gestão Estratégica de Negócios da FIAP o aluno passa por um processo de aprendizado que inclui design thinking, tecnologias emergentes, future proof organizations, empreendedorismo, comunicação de liderança, diversidade e inclusão, organizações ágeis, finanças e controladoria empresarial”, afirma o coordenador Luiz Maia.

O MBA é ideal para profissionais que desejam entender estratégias emergentes e pós modernas, líderes que queiram explorar estilos próprios de liderança e gestores dispostos a desenvolver o pensamento analítico para fortalecimento do processo de gestão e tomada de decisão. Além da estratégia de negócios, é ensinado estratégias de marketing, de liderança e de negociação, por exemplo. A pessoa que conclui esta pós-graduação está apta a conduzir a gestão de negócios de todos os setores da indústria, desde tecnologia até saúde.

De acordo com o coordenador do curso, em todas as disciplinas vai permear fortemente a questão da tecnologia e o fomento à inovação: “Neste MBA da FIAP, as aulas são mais práticas, com cases da vida real. O mundo corporativo veio para o mundo acadêmico e nós somamos as metodologias clássicas de ensino com as metodologias modernas e disruptivas”

Por: Giulia Andrade